Reflexões pedagógicas. Formando-nos no feminismo

A sociedade em que vivemos ainda não reconhece a importância dos primeiros anos de vida no desenvolvimento pessoal e social das pessoas, mas as educadoras da Escola Infantil Urmendi têm claro que é nesses primeiros anos que eles são construídos e se desenvolve tanto as habilidades básicas quanto os valores de socialização e os diferentes conhecimentos.

Meninos e meninas são esponjas que absorvem todos os estímulos do seu ambiente, com uma percepção sensorial que os engrandece, e nós educadoras somos o acompanhamento ao longo dessa jornada. Somos suas companheiras e seu exemplo. E qual é o exemplo que queremos dar às crianças? Que tipo de educação queremos oferecer a elas?

Para responder a essas perguntas, nos educadoras e educadores da Urmendi decidimos mergulhar em uma formação feminista, lançando uma profunda reflexão coletiva. Queremos reservar um espaço neste artigo para agradecer tanto a Eider Goiburu, por nos guiar e caminhar conosco nesta reflexão feminista, quanto à técnica que trabalha com Igualdade na Câmara Municipal de Oiartzun, pois é importante valorizar o comprometimento das instituições públicas, neste caso a Câmara Municipal de Oiartzun, pela promoção e oferta deste tipo de espaço. Os tempos mudaram, a sociedade continua mudando, e nessa transformação o feminismo veio com muita força, mostrando-nos toda uma gama de desafios. Fala-nos da necessidade de colocar vidas no centro dos nossos sistemas, vidas dignas e livres para serem vividas, baseadas na igualdade entre homens e mulheres. O feminismo nos desenha um futuro onde a vida das pessoas tem o primeiro lugar, elas cuidam umas das outras e fazem desaparecer as desigualdades e violências que são exercidas no sistema atual. E é diante dessa oportunidade que o feminismo nos abre, que os/as adultos/as têm a responsabilidade de construir e oferecer a educação que nossas meninas e meninos merecem e precisam. Nos últimos anos, o feminismo nos fez refletir muito, colocou em xeque muitas das representações sociais que havíamos internalizado, nos fez um clique na cabeça. Abriu a esperança de ver que é possível um mundo diferente, um mundo sem violência, livre, onde todos e todas possam estar e sentir o que quiserem, um mundo para poder vivê-lo com liberdade e respeito.

Como vimos, as coisas mudaram, mas, o suficiente para poder educar as pessoas em liberdade? A violência sexista estrutural que nos cerca responde a essa pergunta todos os dias. Essa violência se enraíza nas profundezas de todas as nossas esferas da vida, tem uma proteção social muito forte e bem pensada. Cada pessoa, relação, trabalho, pensamento ou olhar é atravessado por uma ideologia machista muito intencional e cruel construída sobre o silêncio e a ocultação. Portanto, diríamos que as coisas mudaram na pele, na superfície mais fina, mas não tem sido fácil ter consciência disso. No nosso caso, das trabalhadoras e trabalhadores da Urmendi, esse clique chegou até nós enquanto estávamos fazendo essa formação feminista. Demos um salto da razão para as entranhas, dos conceitos para a realidade do dia-a-dia, e aqui está a chave. Agimos desde as entranhas, carregamos na pele o que aprendemos, somos corpos que reproduzem o que nos ensinaram. Portanto, o simples fato de estarmos atentos e iniciarmos mudanças de pensamento não altera nossos comportamentos, nossos costumes ou formas de ser. O processo é mais longo e complicado. Um exemplo proposto na formação foi o que nos levou a essa realidade: da nossa posição de mãe, pai ou responsável, se nosso filho de dez anos quer sair para a rua e para a escola com vestido, além de respeitá-lo, nós o acompanharíamos nesse processo? O fato de ter que protegê-lo nos faria deixar só usá-lo em casa sem se expor na rua? Pais, vocês tomariam a decisão de sair de vestido com seu filho? Temos coragem para enfrentar todas as barreiras, rótulos, ridicularização e violência que a sociedade colocará no caminho? Ou apenas mudamos nossas ideias, nosso pensamento sobre esse assunto? Perguntas, perguntas novamente. Perguntas que nos colocam em xeque, que reviram nossas entranhas.

Se a identidade vem desde o nascimento e se completa com os estímulos e exemplos que o ambiente nos dá, é aqui que educadores/as, famílias e toda a sociedade em geral têm uma oportunidade única de mudar as coisas. Não podemos limitar a identidade de meninas e meninos aos papéis de gênero antagônicos fomentados ao longo de anos: homens fortes, atletas, líderes, sem emoção e frívolos, e mulheres delicadas, limpas, carinhosas, controladas por suas emoções e obedientes. Temos roupas, brinquedos e expectativas diferentes sobre as pessoas se temos uma menina ou um menino na nossa frente. Nossa maneira de vê-los e agir sobre eles/elas é diferente dependendo de sua genitália. E, novamente, perguntamos: quem decide que o exemplo de uma mulher é delicadeza, beleza e obediência? Quem decide que os homens são fortes, frios e agressivos? Por que não ligar o ventilador e quebrar essas dicotomias? Mais do que mulheres e homens, por que não começamos a ver pessoas?

Precisamos refletir, temos que questionar nossos comportamentos e nossa forma de educar, temos que oferecer novas experiências para meninas e meninos, temos que virar de cabeça para baixo o que se conhecia até agora. É hora de passar do pensamento para as entranhas. Precisamos dessa mudança para nós mesmos, para melhorar o mundo adulto, mas, acima de tudo, precisamos dessa mudança para poder oferecer desenvolvimento e educação baseados na liberdade. Uma liberdade de ser, de sentir, de amar e de se relacionar. Por esta razão, as educadoras da Escola Infantil Urmendi decidiram receber esta formação feminista e continuar a trabalhar neste caminho que nos foi aberto. Questionar a forma como falamos e as atitudes que temos no dia a dia e poder fazer grandes mudanças nessas pequenas coisas. Continuaremos refletindo e trabalhando com nossas entranhas para poder oferecer uma educação baseada no respeito e na liberdade que o feminismo nos mostra. Nosso objetivo é educar as pessoas e, a partir da identidade, orientação sexual, desejo, necessidade e gostos de cada pessoa, poder construir uma comunidade digna de ser vivida, saudável, feliz e livre da violência sexista.

Eli Etxabeguren
educadora da Escola Infantil Urmendi (Oiartzungo Udal Ikastola Partzuergoa) em Oiartzun, Gipuzkoa.

Udane Ansa Iragorri. Ilustrações.

Relacionats

Subscriu-te al nostre butlletí!
Vols rebre informació sobre totes les novetats formatives i activitats de l'Associació?
Subscriu-t'hi!

Preparació nivell C2 de català per a docents!
Total d'hores amb reconeixement: 60 hores (30h sincròniques i 30h asincròniques) | Calendari: Gener - Abril | "Els 60 primers matriculats tindran garantit el dret a examinar-se aquest curs 22-23"
Tota la informació!

Subscriu-te al nostre butlletí!

Vols rebre informació sobre totes les novetats formatives i activitats de l'Associació?
Subscriu-t'hi!

Preparació nivell C2 de català per a docents!

Total d'hores amb reconeixement: 60 hores (30h sincròniques i 30h asincròniques) | Calendari: Gener - Abril | "Els 60 primers matriculats tindran garantit el dret a examinar-se aquest curs 22-23"
Tota la informació!