Entrevista. Marta Ordoñez

Marta Ordoñez é mãe de uma criança trans * e professora de educação infantil. A sua experiência pode proporcionar-nos uma reflexão sobre como enfrentar uma situação complexa de filho ou filha trans * e, como profissional da educação, pode ajudar-nos a refletir sobre como tratar o assunto com a máxima delicadeza e profissionalismo.

Rosa Ferrer: Marta, como você via seu filho quando pequeno? Você sentiu que algo estava acontecendo?
Marta Ordoñez: Vou me referir a ela no feminino (agora que sei que ela é uma menina e com o gênero com o qual se identifica), e se tiver que me referir a meninos e meninas, farei isso com a forma “niñes” a fim de incluir também na fala a pessoas não binárias, conscientes do debate lingüístico que isso está provocando.
Minha filha quando criança, pode-se dizer que ela era uma menina feliz. Como tudo aconteceu quando era muito pequena, não me lembro de nada de estranho acontecendo ou de que houvesse algo que me fizesse sentir que algo estava errado. Pelo menos não de repente. Sim, houve sinais, situações … que naquela altura não sabia identificar e que agora, a perspectiva que o tempo me deu, permitiu-me preenchê-los de sentido.
R.F.: Você achou que ela não se sentia à vontade para brincar com meninos, vestir-se como meninos e interagir com meninos?
M.O.: Não, não foi isso. Ela sempre teve amigos, brincava com todos sem preferência por unes ou outres.
R.F.: Em algum momento você pensou que ele era gay?
M.O.: Há muita confusão a esse respeito. Uma coisa é identidade de gênero e outra, bem diferente, orientação afetivo-sexual. Enquanto o primeiro responde à pergunta “quem sou eu?” a segunda é “quem me atrai?”. Ou seja, a identidade de gênero é um sentimento íntimo que nos diz claramente quem somos, é uma autopercepção, portanto só a própria pessoa pode saber. Nossa identidade pode ser binária (masculina ou feminina) ou não binária. Se o gênero atribuído ao nascer coincide com essa identidade autopercebida, estamos falando de pessoas cissexuais, quando não corresponde estamos falando de pessoas trans*.

“Uma coisa é identidade de gênero e outra, bem diferente, orientação afetivo-sexual. Enquanto o primeiro responde à pergunta “quem sou eu?” a segunda é “quem me atrai?”

A consciência da identidade de gênero geralmente aparece durante os primeiros anos. As crianças, por volta dos 2 anos, ainda mais cedo, são autoconscientes, capazes de se autodefinir e de usar adjetivos para se referir a si mesmas. Já não usam mais a terceira pessoa “ bola nene”, para dar lugar à aparência do “eu”. Nesse momento, as crianças já são capazes de usar o gênero para se descreverem. Embora existam pessoas que sabem mais tarde. Você nunca é muito jovem ou muito velho para saber.

“A consciência da identidade de gênero geralmente aparece durante os primeiros anos”

A orientação sexual aparece mais tarde, quando a pessoa começa a sentir atração sexual afetiva por outra pessoa. Isso geralmente ocorre na pré-adolescência, não antes. Portanto, não podemos dizer que uma pequena pessoa é hetero, homo ou bissexual.

Também não pensei no caso da minha filha.

R.F.: Você pode observar essa consciência de identidade de gênero tão cedo em sua filha?
M.O.: Sim, foi precisamente isso que acendeu o alarme.
Lembro-me de um dia em que estava cheio de colares pela casa, e quando o vi (então ainda o tratávamos em termos masculinos) eu disse a ele “você está muito bonito e elegante com esses colares” e ele respondeu “não mãe, Eu sou bonita ”. Quando falava do futuro, sempre o fazia referindo-se a si mesma no feminino “mãe quando crescer serei médica”. Ela tinha pouco mais de dois anos.

Não entendíamos os primeiros sinais que ele nos enviava, sempre encontrávamos alguma explicação possível: é que ele imita a irmã mais velha, é que está brincando de ser outra pessoa, é um palco, ele é muito pequeno…

Esses sinais que ele lançou foram se intensificando, às vezes em forma de jogo, mas às vezes, e cada vez mais, tornaram-se exigências. Aos poucos, essa necessidade de verbalizar sua identidade no jogo se espalhou para outras áreas: roupas, família extensa, escola… Ela não se contentava em fingir SER uma menina no jogo, mas precisava ser reconhecida e tratada como uma menina.

Ela estava nos dando pistas, sinais… que não sabíamos interpretar.

R.F.: Você está falando sobre as roupas, de como ela queria se vestir ?
M.O.: Em casa, sempre procuramos não reproduzir os papéis estereotipados do que se supõe ser masculino ou feminino. E, de forma consciente, oferecemos a nossas filhas modelos que romperiam com esse binarismo ou pelo menos não contribuiriam para perpetuá-lo. Percebi que é muito difícil. Não pode ser feito, pelo menos não tivemos sucesso. E isso porque recebemos um bombardeio constante; tanto na televisão, na escola, nas lojas de roupas, nos brinquedos … isso é para uma menina, isso é para um menino, rosa, azul … toda a sociedade está impregnada desse binarismo arcaico e retrógrado, em que estamos presas.

“Ela estava nos lançando pistas, sinais … que não sabíamos interpretar.”

Ela precisava ser lida no feminino, para que todas as pessoas ao seu redor a vissem como a menina que ela era e ela usou as ferramentas que a sociedade lhe deu: ela pegou todas aquelas referências que entendia como femininas e as usou para se afirmar. Então tinha apenas 4 anos. Era a era cor rosa, tule e glitter extremo! Felizmente, se acalmou quando fez o trânsito.

Começou a rejeitar as calças, ela queria se vestir com meias, leggings e vestidos. E nós permitimos, por que não? Se tivesse me pedido para ir para a escola de pijama, minha resposta seria que o pijama era para dormir, se me pedisse para usar vestido eu não poderia dizer que era de menina, não. Foi com o vestido.

“Isso é para uma menina, isso é para um menino, rosa, azul… toda a sociedade está impregnada desse binarismo arcaico e retrógrado, no qual estamos presos”

Acreditávamos que ela era uma criança que gostava e se sentia confortável com aquele tipo de vestuário e acessórios, nunca a proibimos, nem vimos isso como um problema. Achávamos que era um menino com uma expressão mais feminina, mas nunca imaginamos que fosse realmente uma menina, até mais tarde.

Esta é a expressão de gênero. É um conceito que guarda alguma relação com identidade e orientação, mas é importante diferenciá-los. A expressão de gênero tem a ver com a aparência da pessoa: roupas, corte de cabelo etc. Não determina orientação nem, tampouco, a identidade.

“Pensávamos que era um menino com uma expressão mais feminina, mas nunca imaginamos que fosse realmente uma menina, até mais tarde”

“A expressão de gênero tem a ver com a aparência de uma pessoa: roupas, corte de cabelo, etc. Não determina a orientação nem, tampouco a identidade”

R.F.: Como você percebeu que estava vivendo um processo muito mais profundo?

M.O.: Ela se vestia como queria, sempre pedia rabo de cavalo, escolhia sua mochila escolar rosa … era aceita (ainda a tratávamos como masculino) como era, mas não era o suficiente.

As brincadeiras de gênero tornaram-se uma necessidade, passamos a perceber momentos de sofrimento e angústia. Ela sempre foi muito expressiva e alegre e seu temperamento começa a mudar.

R.F.: Com que idade você se pergunta o que está acontecendo com ele?
M.O.: Tudo isso acontece dos 2 aos 4 anos.

Nessa idade, a linguagem verbal começa ser protagonisada, mas ainda é incapaz de colocar em palavras e explicar o que está acontecendo. Usa outras linguagens, outros códigos, principalmente na brincadeira e em momentos do dia a dia, comentários, perguntas…

Quando já vemos que o que oferecemos não é suficiente, percebemos que estávamos diante de uma situação mais complexa a que não sabíamos responder e começamos a procurar comprender.

Tivemos sorte e encontramos uma associação de famílias de menores trans *. Foi um alívio conhecer realidades muito parecidas com a nossa, conhecer famílias na mesma situação e principalmente para nossa filha, foi uma surpresa para ela constatar que não era a única.

Conversar com a associação de jovens trans * da Chrysallis (da qual faço parte atualmente) abriu nossos olhos.

Falei com ela e disse que talvez estivéssemos errados, que talvez ela fosse uma menina e perguntei como ela queria que a chamássemos. Naquele momento ele disse que queria um nome de menina, perguntou se podia… Ainda me lembro dos saltos de alegria que deu pela sala!!

A partir desse momento passamos a tratá-la no feminino e a usar seu novo nome, iniciou-se a transição social, ou seja, o momento de mostrar ao mundo sua verdadeira identidade.

Sua alegria e sua mudança de atitude para melhor nos reafirmaram, sabíamos que estávamos fazendo bem, que estávamos no caminho certo e que era disso que precisava. Você tinha que ver o quão feliz estava.

R.F.: Como podemos identificar se as crianças querem ser de outro gênero que não o atribuído ao nascimento porque não se sentem atraídas pelos papéis que desempenham e ocupam na sociedade ou vivem uma grande contradição entre o que sentem e o sexo que tem?
M.O.: No meu caso em particular, e pelo que nos contam as famílias da associação, há um fato em comum, se experimenta uma mudança de comportamento. Uma discordância no nome do registro (aquele que está registrado no momento do nascimento), eles/elas se fecham em si mesmos/as, há casos de depressão, automutilação e, infelizmente, temos vivido casos muito próximos de suicídio.

“Sua alegria e sua mudança de atitude para melhor nos reafirmaram, sabíamos que estávamos fazendo bem, que estávamos no caminho certo e que era disso que precisava. Você tinha que ver o quão feliz estava”

As consequências de negar, corrigir ou fazer com que crianças que expressam seu gênero de forma não normativa acreditem que sofrem de uma patologia pode ser terríveis.

Para não chegar a esse ponto, o olhar dos adultos próximos a essas crianças é muito importante.

R.F.: Como as pessoas próximas podem ajudar?
M.O.: O principal e o mais importante que o adulto deve fazer é estar presente, ouvir e acompanhar. Escuta ativa, pronta para responder ao que a criança precisa em todos os momentos. Acompanhar nem um passo para a frente, nem um para trás, mas ao lado. E tenha uma mente muito aberta.

É preciso deixar fluir sem julgar, corrigir ou ensinar. É preciso ficar claro que não existe um jeito único de transitar, nem de viver o gênero.

“Esse olhar respeitoso exige uma revisão de nossos próprios preconceitos, de como vivenciamos o gênero na primeira pessoa, posições e reflexões profundas entram em jogo. É preciso estar disposta a desaprender para começar a construir novamente.”

Se as crianças estiverem interessadas em outro gênero daquele atribuído no nascimento, elas devem ser deixadas para investigar suas curiosidades, sem repreensões ou julgamentos.

A escuta e acompanhamento são essenciais para dar uma resposta adequada às necessidades dessas crianças.

Esse olhar respeitoso exige uma revisão de nossos próprios preconceitos, de como vivenciamos o gênero na primeira pessoa, posições e reflexões profundas entram em jogo. É preciso estar disposta a desaprender para começar a construir novamente.

“A coisa principal e mais importante que um adulto tem que fazer é ser, ouvir e acompanhar. Uma escuta ativa, pronta para responder ao que a criança precisa em todos os momentos. Não acompanhe nem um passo para frente, nem um passo para trás, mas au lado. E mantenha a mente aberta”

“Você tem que deixá-la fluir sem julgar, corrigir ou repreender. Deve ficar claro que não há uma única maneira de transitar, nem de viver o gênero”

R.F.: Ela demonstrou desconforto com o tipo de gênero e / ou com seu sexo biológico?

M.O.: Não, até agora ela não demonstrou desconforto ou rejeição ao seu corpo.
O esforço da maioria dos parentes de menores trans *, passa por ser capaz de empoderar seus filhes e garantir que, como faríamos com nossos filhes cis, e mostrar-lhes que são amados como são.

Seus corpos são perfeitos, funcionais e diversos. Eles/elas não estão “em corpos errados”, não são “meninos em corpos de meninas” ou “meninas em corpos de meninos”. Essas falas alimentam a ideia de que as pessoas trans * precisam necessariamente modificar seu corpo, tomar hormônios ou tomar medicamentos, o que nem sempre acontece. O problema não são os corpos, é o olhar da sociedade que os julga e os categoriza como inválidos, como “errados” por não seguirem a norma estabelecida.

“O problema não são os corpos, é o olhar da sociedade que os julga e os categoriza como inválidos, como “errados” por não seguirem a norma estabelecida”

É preciso ter todas as informações e, se a pessoa trans * quiser, só se ela tomar a decisão, como, quando e o que fazer é avaliado pelos endócrinos, e eu digo endócrinos, porque é a equipe médica que pode aconselhar sobre hormônios e mudanças. Muitas vezes e completamente errados, nossos/as filhos/as são encaminhados/as a psicólogos ou psiquiatras. A transexualidade não é uma doença mental, nossos/as filhos/as não estão doentes. Infelizmente e ao contrário do que algumas opiniões e desígnios de alguns setores nos levam a crer, os transtornos e as dificuldades surgem justamente quando essa criança não pode SER aquilo que É.

R.F.: Como a família lida com a identidade trans* de uma criança?
M.O.: Quando a palavra “transexualidade” entrou em nossa família, foi um grande choque, resultado da desinformação que tínhamos sobre tudo relacionado ao mundo trans *. O pouco que sabíamos envolvia prostituição, marginalização e drogas. Era um mundo ao qual não queríamos pertencer. Não conhecíamos ninguém que fosse trans *, as únicas referências vinham da televisão.

Obviamente, naquele momento e com aquela informação tendenciosa, não era a vida que queríamos para nossa filha.

O fato de conhecer pessoas adultas trans *, suas vidas, suas lutas e dificuldades … me permitiu valorizá-las e agradecê-las infinitamente por suas conquistas. Eu entendi por que elas foram discriminadas e porque foram forçadas a levar a vida que levaram, muitas delas rejeitadas por suas famílias, elas tiveram que sobreviver como puderam.

Eu também conheci pessoas trans *, que fizeram a transição sendo adultas, algumas que têm um/a parceiro/a, que têm trabalho…

Foi difícil. Agora que se passaram 5 anos de trânsito (minha filha agora tem 9), posso afirmar que foi uma sorte, nos fez ser pessoas melhores.

Há uma sensação de vertigem e as emoções começam a asseme-lhar-se a uma viagem numa montanha russa.

R.F.: Na verdade, socialmente, existem basicamente dois modelos de gênero, você acha que isso condiciona as crianças a escolher um gênero ou outro, e que se elas tivessem uma diversidade de modelos, teriam uma chance me-lhor de serem capazes de definir ou identificar a si mesmos?

M.O.: Completamente. O sistema binário e cisheterossexual de gênero e sexo nos classifica e nos limita. Está amplamente demonstrado que a realidade em termos de gênero é muito mais diversa. É imprescindível que essas realidades se tornem visíveis em todos os âmbitos: cultura, política, esporte, ciência, arte … para as crianças é muito importante ter referências nas quais elas se sintam refletidas e identificadas e que estejam presentes no cotidiano. Devemos nos perguntar por que não costumamos encontrar professores/as trans *, pessoal médico, pessoal administrativo … a taxa de desemprego e desemprego para pessoas trans * é muito alta! É um “peixe que morde o rabo”, no mundo do trabalho sofre muita discriminação, se o pessoal trans * não for contratado/a nunca será visível, se não tiver trabalho serão forçados/as para sobreviver ficarem na marginalização.

R.F.: Uma sociedade sem gêneros pode ser possível?
M.O.: É um debate interessante. Para mim, pessoalmente, gostaria que não fosse necessário rotular-se, que cada um se definisse e se identificasse com o que se sentia mais confortável.

Acho que gênero não é uma coisa estática, ao longo da vida a vivemos de uma forma ou de outra, fluindo e variando, se reajustando. Nem a experiência de gênero é a mesma de uma pessoa para outra. O que significa ser uma “mulher” para mim não cor-responde ao que você pensa, minha avó pensava ou o que minha filha pensa. Mas todas elas são válidas.

De uma parte do feminismo mais radical (o TERF), esse despertar das pessoas trans (principalmente as mulheres trans) e essa luta por seus direitos está sendo vivida como uma agressão, eles – o TERF – chamam de “apagamento” das mulheres como uma categoria. Não aceitam a autodeterminação de gênero, pois não aceitam que uma pessoa possa ser mulher e não se enquadrar nos estereótipos de gênero. Aceitam mulheres trans * operadas e, com muito cispassing, não “mostram” que são trans *. E então eles recriminam as famílias de menores trans * por facilitarem à nosses filhes mudanças hormonais.

R.F.: Existe um longo caminho a percorrer para a sociedade lidar com essa questão com normalidade e respeito?
M.O.: Sim, ainda falta muito. Temos o binarismo impregnado em nossa pele. É o que eles/elas nos ensinaram, nossas avós e avôs e muitas gerações antes de nós. Romper com isso é difícil, porque é romper com o sistema. É um assunto assustador porque o desafia diretamente, faz você refletir e se revisar internamente e nem todos/as estão dispostos.
R.F.: Como você vê os/as profissionais da educação nessa questão?
M.O.: É necessário atuar desde já na escola. A formação que nossas filhas e filhos recebem é muito deficiente e incompleto em diversidade de gênero. Os/as professores/as também não são formados/as e muitas famílias acreditam que esse tipo de conteúdo não deve ser ministrado em sala de aula. É um cenário desesperador.

Felizmente e cada vez mais, encontramos escolas que estão fazendo muito boas práticas e professores/as altamente motivados/as que, embora seja verdade que começam do zero na formação, fazem de tudo para recuperar o atraso e poder acompanhar me-lhor essas crianças da melhor maneira.

A formação e informação são nossa melhor arma. Pela associação damos palestras e workshops para professores/as, alunos/as e famílias. Preparamos também um dossiê didático, com explicações, atividades e dinâmicas sobre as crianças, que foi muito bem recebido.

“É um assunto assustador porque o desafia diretamente, faz você refletir e se revisar internamente e nem todos/as estão dispostos/as”

Verificamos que a maioria das más práticas nas escolas se deve ao desconhecimento e ignorância sobre o assunto. Depois que os/as professores/as têm estratégias, ferramentas e recursos, geralmente tudo se acalma.

R.F.: Como tem sido sua relação familiar com a escola nesse processo?
M.O.: No nosso caso, a escola foi muito cooperativa e interessada no processo. Não tinham formação ou conhecimento, mas se esforçaram para acompanhar minha filha no caminho que ela estava iniciando. Não esperávamos mais nada, na escola ela fica muitas horas e era fundamental ir para uma que tenha os mesmos objetivos.

Durante as férias escolares, enviamos uma mensagem a todas as famílias do grupo explicando a mudança em nossa filha e o nome que deveriam usar a partir de então para se dirigir a ela. Também anexamos alguns vídeos e artigos. A resposta foi espetacular.

Estamos calmos, mas não baixamos a guarda. Qualquer comentário, zombaria, desprezo … deve ser cortado imediatamente. O motivo mais comum de bullying na escola deve-se a questões relacionadas à identidade ou orientação de gênero e embora saibamos que eles estão muito presentes na escola, como família estamos muito atentos.

R.F.: Qual é o papel da escola no acolhimento de uma criança trans*?
M.O.:
Na Catalunha temos um protocolo escolar para o acompanhamento de menores trans * que é obrigatório em todas as escolas, no qual se diz, de forma muito resumida, que a escola deve fazer:

  • usar o nome significativo e no gênero em que o/a aluno/a se identifica
  • mudar o nome do registro pelo nome que aparece nas listas, nomes à vista…
  • permitir o uso de banheiros e vestiários de acordo com o gênero sentido
  • permitir o uso de uniforme, se for o caso, de acordo com o gênero sentido
  • oferecer formação e assessoria aos/as professores/as sobre gênero e diversidade
  • zelar pelo bem-estar de quem transita.

É um protocolo mínimo, deve ser revisto. Mesmo assim, devemos nos sentir sortudos, pois somos uma das poucas comunidades autônomas com este protocolo.

“O motivo mais comum de bullying na escola deve-se a questões relacionadas à identidade ou orientação de gênero e embora saibamos que eles estão muito presentes na escola, como família estamos muito atentos”

R.F.: Como deve ser a relação com a família durante esse processo?
M.O.: A relação família-escola deve ser sempre muito próxima, baseada na confiança e no respeito mútuo, não apenas diante das dificuldades.

As famílias confiam nos/as professores/as como profissionais da educação e precisam compartilhar o processo de mudança com quem, afinal, passa mais horas com as crianças.

Às vezes, descobrimos que a criança prefere dizer isso primeiro aos amigos antes de sua família. Por vezes até o seu tutor ou tutora torna-se o/a interlocutor/a e mediador/a devido a esta relação especial, de segurança e confiança que se estabelece entre eles/as. Em todo caso, os passos a seguir, os tempos, o ritmo, como e quando dizer … você deve conversar com a família, mas principalmente com a criança em questão. Não há dois trânsitos iguais, portanto, não há uma maneira única de proceder. Ouvir e acompanhar a criança e a família será o que nos orientará nesse processo.

R.F.: De quais recursos a escola e os/as profissionais da educação precisam para abordar esse problema com toda a comunidade educacional?
M.O.: Precisamos de formação para estar à altura da tarefa, para acolher e acompanhar da melhor forma estas crianças, para enfrentar esta realidade com que cada vez mais nos encontramos e para nos munirmos de recursos e estratégias para saber compreender e saber como ser. A escola também precisa de uma revisão exaustiva dos modelos que oferecemos às crianças (livros, imagens, figuras históricas …) … E é imprescindível que todas essas demandas e necessidades sejam reconhecidas por lei, porque é assim que se pode garantir que todas as crianças do nosso território estejam em pé de igualdade e não dependam da “boa sorte” de frequentar uma escola onde os direitos da criança são respeitados ou do “azar” de frequentar outra onde a diversidade não é contemplada e, portanto, esses direitos são sistematicamente violados, sem que ninguém intervenha.

“Escola também precisa de uma revisão exaustiva dos modelos que oferecemos às crianças (livros, imagens, figuras históricas…) …E é imprescindível que todas essas demandas e necessidades sejam reco-nhecidas por lei, porque é assim que se pode garantir que todas as crianças do nosso território estejam em pé de igualdade”

R.F.: Como você vê a proposta de lei trans *? O que está sendo proposto no estado espanhol?
M.O.: Precisamos urgentemente de legislação sobre este assunto. Precisamos de uma lei trans * para que os direitos de nossos/as filhos/as sejam reconhecidos. Para deixar de nos desejar “sorte” sempre que temos que fazer um procedimento administrativo, para que a pessoa atrás da janela não nos olhe de forma estra-nha, nem nos faça perguntas incómodas. Poder viajar sem dar explicações do que diz no RG, poder educar nossos/as filhos/as sem sofrer a cada dia a possibilidade de se sentirem rejeitados/as, para que possam praticar um esporte de acordo com seu gênero sentido, para que eles/as encontrem um emprego, para que não volte para casa espancado … Não pedimos favores, pedimos os mesmos direitos que outras crianças podem ter. Que tenham uma infância feliz.

Entrevista realizada em Barcelona em abril de 2021

Rosa Ferrer
Professora de Educação Infantil

NOTA
Marta Ordoñez Castellnou: mocastellnou@hotmail.com
TRANS: Inclui todas as diversidades.
TERF ( do inglês: trans-exclusionary radical feminist)

Relacionats

Subscriu-te al nostre butlletí!
Vols rebre informació sobre totes les novetats formatives i activitats de l'Associació?
Subscriu-t'hi!

Preparació nivell C2 de català per a docents!
Total d'hores amb reconeixement: 60 hores (30h sincròniques i 30h asincròniques) | Calendari: Gener - Abril | "Els 60 primers matriculats tindran garantit el dret a examinar-se aquest curs 22-23"
Tota la informació!

Subscriu-te al nostre butlletí!

Vols rebre informació sobre totes les novetats formatives i activitats de l'Associació?
Subscriu-t'hi!

Preparació nivell C2 de català per a docents!

Total d'hores amb reconeixement: 60 hores (30h sincròniques i 30h asincròniques) | Calendari: Gener - Abril | "Els 60 primers matriculats tindran garantit el dret a examinar-se aquest curs 22-23"
Tota la informació!